Formação do Professor Universitário na Área de Turismo no Brasil
PDF
HTML
EPUB
Audio

Palabras clave

Capacitação
Educação
Hospitalidade
Brasil.

Cómo citar

Aparecida de OliveiraNizamar. 2016. «Formação Do Professor Universitário Na Área De Turismo No Brasil». Revista Espiga 15 (31), 1-11. https://doi.org/10.22458/re.v15i31.1286.

Resumen

Qual o perfil do estudante de Turismo na atualidade? O professor universitário está capacitado para os novos desafios educacionais? É importante que o professor atue no mercado? Como lidar com o professor que vê, na docência apenas uma renda complementar? Este artigo pretende analisar a formação do professor universitário no curso de Turismo, mediante as mudanças provocadas pela tecnologia. O trabalho terá como metodologia, a experiência de sala de aula, vivenciada pela autora, bem como a coordenação do curso de Turismo em um centro universitário. Como referencial teórico serão utilizados os autores Almeida (2012) que aborda a formação do professor universitário; Camargo (2003), no quesito Hospitalidade; Guimarães e Borges (2008) que analisam as ferramentas tecnológicas e o turismo e Molina (2013) que dedicou um livro ao pós-turismo. Como resultado, uma reflexão para todos os professores e coordenadores de curso sobre uma reavaliação de suas práticas profissionais em sala de aula.
https://doi.org/10.22458/re.v15i31.1286
PDF
HTML
EPUB
Audio

Citas

Almeida, M. I. de. 2012 1. ed. Formação do professor do Ensino Superior: desafios e políticas institucionais. São Paulo: Cortez.

Alves, D. T. (2012). DILMA RECONHECE PROFISSÃO DE TURISMÓLOGO COM VETOS. São Paulo: Panrotas. Recuperado de http://www.panrotas.com.br/noticia-turismo/politica/dilma-regulamenta-profissao-de-turismologo-com-vetos_74877.html

Ansarah, Dra. Marilia Gomes dos Reis. (S/D) CURSO SUPERIOR DE TURISMO: A RELAÇÃO PROFESSOR ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO. Caxias do Sul: Universidade Caxias do Sul. Recuperado de https://www.ucs.br/site/midia/arquivos/gt13-curso-superior-de-turismo.pdf

Camargo, L. (2005). 2. ed. Hospitalidade. São Paulo: Aleph.

Cardoso, F. H. (1996). LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO NACIONAL. LEI Nº 9394 DE 20 DE NOVEMBRO DE 1996. Brasília: Presidência da República. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.html

Guimaraes, A. S.; Borges, M. P. e. 2008 1. ed. e-turismo: internet e negócios do turismo. São Paulo: Cengage Learning.

Hilton, L. (2014). 8 HÁBITOS E COSTUMES DOS BRASILEIROS QUE DEVERIAM SEREXPORTADOS, NA OPINIÃO DOS GRINGOS. São Paulo : R7. Recuperado de http://www.tudointeressante.com.br/2014/07/8-habitose-costumes-brasileiros-quedeveriam-ser-exportados-na-opiniao-dos-gringos.html

Mesquita, B. N.; Silva, J. T. M.; Ribeiro, A. L. (2009). O PAPEL DO PROFESSOR NA FORMAÇÃO DO BACHARELEM TURISMO: UM ESTUDO DE CASO. Belo Horizonte: Educação em Foco. Recuperado de http://www.uemg.br/openjournal/index.php/educacaoemfoco/article/

view/83/118. Molina, Sergio. 2013 2. ed. O Pós-Turismo. São Paulo: Aleph.

Rousseff, D. (2012) . LEI Nº 12591 DE 18 DE JANEIRO DE 2012. Brasília: Presidência da República. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12591.htm

Santana, A. L. (2009). CONCIERGE. São Paulo: Infoescola. Recuperado de http://www.infoescola.com/profissoes/concierge/

Souza, A.; Saad, M. (2015). ECONOMIA DA EXPERIÊNCIA- TURISMO NOS DIAS ATUAIS. Brasília: Ministério do Turismo. Recuperado de http://www.turismo.gov.br/turismo/programas_acoes_BACKUP_nao_apagar/programas_acoes/regionalizacao_turismo/economia_experiencia.html

(s/a) (2013). PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DE TURISMO DIRETRIZES. Brasília: Ministério do Turismo. Recuperado de http://www.turismo.gov.br/export/sites/default/turismo/o_ministerio/publicacoes/downloads_publicacoes/plano_nacional_2013.pdf

(s/a) (2015.) ESTUDOS DA COMPETITIVIDADE DO TURISMO BRASILEIRO. Brasília: Ministério do Turismo Recuperado de http://www.turismo.gov.br/export/sites/default/turismo/o_ministerio/publicacoes/downloads_publicacoes/TURISMO_COMO_INSTRUMENTO_DE_DESENVOLVIMENTO_REGIONAL_ESTUDO_DE_ARRANJOS_PRODUTIVOS_LOCAIS_xAPLSx_NO_SETOR_DE_TURISMO.pdf

(s/a) (2015). INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E CURSOS. CADASTRADOS. Brasília: Ministério da Educação. Recuperado

de http://emec.mec.gov.br/

Los artículos publicados por esta revista operan bajo licencia de CREATIVE COMMONS (Reconocimiento-No Comercial 4.0 Internacional). El Comité Editorial permite la reproducción parcial o total de los artículos a condición de que se mencione  la fuente. Asimismo, los escritos podrán ser colgados y divulgados vía digital, siempre y cuando se mantenga la fuente de su publicación.